Bactérias E-coli

A Escherichia coli , também conhecida pela abreviatura E. coli, é uma bactéria bacilar Gram-negativa, que, juntamente com o Staphylococcus aureus é a mais comum e uma das mais antigas bactérias simbiontes do homem. O seu descobridor foi o alemão-austríaco Theodor Escherich, em 1885.

A E. coli assume a forma de um bacilo e pertence à família das Enterobacteriaceae. São aeróbias e anaeróbias facultativas. O seu habitat natural é o lúmen intestinal dos seres humanos e de outros animais de sangue quente. Possui múltiplos flagelos dispostos em volta da célula.

A E. coli é um dos poucos seres vivos capaz de produzir todos os componentes de que é feita, a partir de compostos básicos e fontes de energia suficientes.

A estirpe de E.coli que existe normalmente nos intestinos de um determinado indivíduo é bem conhecida e controlada pelo seu sistema imunitário, e raramente causa problemas excepto quando há debilidade do indivíduo. A maioria das doenças é devido a E.coli vindas de indivíduos diferentes e portanto de estirpe diferente, não reconhecida pelos linfócitos. As intoxicações alimentares em particular são quase sempre devidas a bactérias de estirpes radicalmente diferentes.

Subtipos mais importantes:

  1. EPEC (“Enteropathogenic E.coli” ; E.coli Enteropatogênica): causam diarreias não sanguinolentas epidêmicas em crianças, especialmente em países pobres. Têm um fator de adesão aos enterócitos e produzem enterotoxinas, resultando em destruição dos vilos do intestino delgado, com má absorção dos nutrientes e conseqüente diarréia osmótica. Há também febre, náuseas e vômitos.
  2. ETEC (“Enterotoxic E.coli” ; E.coli Enterotoxinogênica): são a causa mais comum de diarreia do turista, sendo ingeridas em grandes números em comida mal cozida ou água contaminada com detritos fecais. Resolve com imunidade durante vários meses, logo o turista normalmente só é apanhado uma vez. Infectam principalmente o intestino delgado. Sintomas adicionais são dores violentas abdominais, vômitos, náuseas e febre baixa. O aumento do GMPc (um mediador) dentro do enterócito causa aumento da secreção de electrólitos como cloro e sódio para o lúmen intestinal, seguidos de água por osmose. A doença é perigosa para crianças pequenas devido à desidratação. Deve lhes ser administrada bastante água (mais é melhor que menos) com um pouco de sal e açúcar.
  3. EIEC (“Enteroinvasive E.coli” ; E.coli Enteroinvasiva): são invasivas e destrutivas da mucosa intestinal, causando úlceras e inflamação.
  4. EHEC (“Enterohemorragic E.coli” ; E.coli Entero-hemorrágica): causam diarreia aquosa inicial que pode progredir em colite hemorrágica e síndrome hemolítico-urémico. Podem provocar anemia, trombocitopenia e insuficiência renal aguda potencialmente perigosa.
  5. DAEC (“Diffusely adherent E.coli”): causa diarreia aquosa em crianças pequenas.
  6. EAEC (“Enteroaggregative E.coli” ; E.coli Enteroagregativa): Têm fímbrias, produzem toxinas semelhantes às da ETEC, resultando em diarreia aquosa ou hemorrágica persistente em crianças. As bactérias têm aparência característica, aglutinando-se umas às outras em “muros de tijolos”.
  7. UPEC (“Uropathogenic E.coli”): causa frequentemente infecções do trato urinário (ITU) em mulheres jovens. Têm receptores específicos para moléculas da membrana de células do epitélio da pelve renal. Produzem hemolisinas que lisam os eritrócitos.
  8. SEPEC: causa frequente de septicémia. Resiste ao sistema complemento.

A E.coli pode ser resistente a um número crescente de antibióticos, mas uma estirpe raramente é-o a mais de dois ou três fármacos. Antibióticos aconselhados são a aminopenicilina, cefalosporinas, quinolonas, estreptomicina, ácido nalidixico, ampicilina, cefalotina, ciprofloxacina, gentamicina, levofloxacina, nitrofurantoina, trimetoprim e/ou cotrimazole. Em caso de enterite com diarreia abundante deve ser administrada água com um pouco de sal e açúcar (soro caseiro), especialmente em climas quentes e em crianças para evitar a desidratação potencialmente perigosa.

Mas o que me levou realmente a escrever este artigo foi o facto de estarmos actualmente a sofrer um pouco por todo o mundo de contaminação de uma estirpe desta bactéria ,em muitos casos, letal.

A preocupação do mundo todo, é que devido a globalização as doenças também chegam de forma rápida em qualquer lugar do planeta. A onda de contaminação pela bactéria EHEC provoca lotação em hospitais no norte da Alemanha.  O país já contabilizou mais de mil casos suspeitos ou confirmados de infecções pela bactéria Escherichia coli do tipo EHEC.

O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças, em Estocolmo avalia que a causa das infecções com a bactéria Escherichia coli do tipo EHEC na Alemanha ainda se encontra activa, já que o número de doentes no país continua a aumentar.

O número de casos suspeitos envolvendo a mortífera bactéria Escherichia coli (E. coli), que deixou milhares de doentes na Europa, chegou a quatro nos Estados Unidos, segundo informou o Centro de Controle de Doenças do país no domingo passado.

“Neste momento, não há relatos de quaisquer outros casos suspeitos adicionais” nos Estados Unidos, segundo disse a porta-voz do órgão, Lola Russell.

Todos os quatro pacientes visitaram a cidade de Hamburgo, na Alemanha, recentemente.

O surto raro de E. coli infectou pessoas em 12 países –e já matou 22, além de deixar mais de 2.000 doentes.

Brotos de feijão e de outros alimentos podem ser a fonte da infecção bacteriana, segundo informaram autoridades alemãs.

Não há indicações de que o fornecimento de alimentos dos EUA seja afetado pela bactéria, segundo informou o governo norte-americano.

Como medida de precaução, no entanto, o país deve aumentar a vigilância sobre alimentos frescos oriundos de locais ou áreas preocupantes. Mas as autoridades acrescentaram que a União Europeia não é uma fonte significante de produtos perecíveis para os EUA.

Leonor 🙂

Anúncios

Sobre 13moleculasapular

Química (do egípcio kēme (chem), significando "terra") é a ciência que trata das substâncias da natureza, dos elementos que a constituem, das suas características, propriedades combinatórias, processos de obtenção, das suas aplicações e da sua identificação. Estuda a maneira pela qual os elementos se ligam e reagem entre si, bem como a energia desprendida ou absorvida durante estas transformações.
Esta entrada foi publicada em Química, saúde, vida.... ligação permanente.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s